Do Vietnã para a China, de trem - Tem criança na viagem
Buscar
Do Vietnã para a China, de trem
24/05/2018
Tempo de leitura: 2 minutos.

Estação de Gia Lam, em Hanói, no Vietnã. Dali partimos de trem para Nanning, no sul da China, fazendo o roteiro inverso do da maioria dos turistas que viajam por conta para esta região. Compramos as passagens no China Ticket Online (https://www.chinaticketonline.com/), um site que funciona muito bem e é fácil de usar (este site disponibiliza tudo quanto é tipo de passagem. Vale a pena explorar). Compramos a passagem soft sleeper, que dá direito a uma cama melhorzinha. 

 

Está em vietnamita, mas o que precisa é legível: data, hora, vagão e cabine

 

A estação vietnamita é simples e sem muito conforto, mesmo estando numa capital e sendo ponto de partida para uma viagem internacional. Imaginamos que fosse um exemplo de prédio público em um país comunista como o Vietnã.

 

Parece uma estaçãozinha de cidade pequena, né?

 

Mas é isso mesmo. Vai na fé

 

Nada para comer lá dentro. Os banheiros, sem portas e imundos. Nas imediações, apenas pequenos bares e somente alguns poucos salgadinhos ou lanches de aspecto duvidoso para comer.

 

A “avenida” em frente à estação. Nestas horas surge a dúvida: estamos no lugar certo?

 

Simples, sem lugar para refeições, sem inglês… Vamos lá!

 

O trem, simples, velho, com cara puída (porém limpo) viaja devagar. Fomos recebidos por uma horda de mosquitos. O repelente nos salvou. A notícia boa: ficamos apenas os três em uma cabine com dois beliches. Temíamos ter que dividir o pequeno espaço, ocupado ainda por nossas bagagens, com algum desconhecido e de hábitos estranhos.

 

Simples, velho, amarelado, mas limpo – apesar dos mosquitos

 

Os banheiros são coletivos; não há serviço de bordo, mas há água quente disponível – dá para comer um lámen ou tomar um chimarrão… rsrsrsrsrs

São apenas 323 quilômetros entre Hanói, no Vietnã, e Nanning, na China, e intermináveis 11 horas de trajeto. Viaja-se à noite, e o trem para a todo o momento para subidas e descidas de passageiros. Além disso, há os tensos momentos entre sair de um país e entrar em outro. Os avisos para descer até a imigração são batidas secas na porta – se você estiver dormindo profundamente (o que é bem provável, já que estará viajando durante a madrugada…) e não escutar, já era.

A apresentação dos documentos exige pressa, atenção e agilidade: você provavelmente estará dormindo. Precisará acordar, entender o que está acontecendo (já que ninguém fala nem inglês…), juntar toda a bagagem e documentação e ir para a fila certa (não encontramos placas em inglês em uma destas paradas, apenas em mandarim…). Depois, deve-se retornar ao trem rapidamente – não percebemos conferência de passageiros – antes que você perca o “bonde”.

Cerca de duas horas depois, nova parada – desta vez para ingressar na China. Aí sim o bicho pega: caras fechadas, armas em punho, revista de bagagem. Mas sobrevivemos. Dica: NEM PENSE em fazer foto, nem na entrada no Vietnã, nem na China.

Resumindo: a viagem é uma baita experiência. Não foi maravilhosa, mas não dá para dizer que foi ruim. As camas velhas e o cansaço deram conta do recado, então conseguimos dormir.

Estranha mesmo foi a chegada em Nanning. Mas isso fica para outro post…

 

 

Nanning nos rendeu várias histórias. Uma delas está aqui neste texto!


China  Nanning  Vietnã  Hanói  Trem  Fronteira 
Todos os comentários
Deixe seu comentário
Seu nome
Email
Website, Facebook, Twitter
Seu comentário
Sobre o blog
Quem somos
Publicidade
Midia Kit
Anuncie aqui.

©Tem criança na viagem 2018. Todos os direitos reservados.